O valor retroativo do FGTS poderá ser consultado por site #boato #fakenews

O BoatoEmpresa Engemax Construtora está contratando 150 profissionais para trabalhar na duplicação da rodovia BR 406, basta entrar em contato.

Se você faz parte do grupo de trabalhadores que atuaram no mercado de trabalho entre os anos de 1998 até 2016 já deve ter ouvido falar da possibilidade de consultar o FGTS Retroativo através de sites como o do Sine Empregos.


Logo após assumir a Presidência, Michel Temer adotou medidas rigorosas ligadas à economia do Brasil. A justificativa do governo é conseguir pagar as suas contas em dia. Seria também uma maneira de diminuir cada vez mais os impactos da crise que vem afetando todo o mundo. Mas como tudo tem dois lados, alguns trabalhadores estão bem satisfeitos ao conseguirem ter acesso à recursos que antes não conseguiam.

Link promete mostrar saldo do FGTS

Com essa iniciativa, algumas pessoas se aproveitaram para tentar conseguir captar os dados dos contribuintes, portanto, é importante tomar cuidado. Um bom exemplo desses boatos é um link que vem sendo compartilhado por diferentes pessoas que promete mostrar ao contribuinte o saldo do seu benefício. Um novo boato garante que o governo abriu a consulta ao FGTS Retroativo. E a consulta do extrato pode ser feita diretamente no site do Sine Empregos.

Vale afirmar que outras histórias semelhantes, mudando apenas a situação, também costuma circular principalmente em grupos do WhatsApp. A última versão é a seguinte:

FGTS RETROATIVO – Você trabalhou com carteira assinada no período de 1998 a 2016? Se a resposta for sim, você pode receber até dois salários mínimos retroativos. Verifique se o seu nome está na lista para sacar até R$1.760,00 em uma Agência da Caixa Econômica Federal. A lista completa está no link…”

Mas será que o FGTS Retroativo pode ser acessado através de um site? Muitas pessoas que receberam essa mensagem acabaram clicando no link e acabaram se dando mal. Como estamos no site de boatos, você já deve saber que toda essa comunicação não passa de uma grande mentira, inventada por algum espertalhão tentando tirar vantagem das pessoas desavisadas.

Golpe que simula consulta a saldo do FGTS já ocorreu antes

E para comprovar essa teoria de mentira, fomos atrás dos fatos. Essa já é a quinta vez que desmentimos essa história sobre FGTS Retroativo. Em um primeiro momento, a história chamava a atenção das pessoas que tinham trabalhado entre os anos de 2003 a 2011, nessa ocasião, o pagamento era ainda maior, de no máximo R$ 18 mil. Em seguida foi a vez de focar nas pessoas que trabalharam entre 1980 até 2011, nesse boato, os que estivessem dentro desse perfil poderiam receber até cinco salários mínimos. E esse ano foi a vez do grupo de trabalhadores entre 1998 até 2016.

Todas essas histórias acabam tendo o mesmo fio condutor, a promessa de poder consultar o seu saldo através de um site, e saber se o seu nome está na lista das pessoas que têm direito a receber esse valor. Aquelas pessoas que incorreram ao erro de clicar no link, precisaram responder três perguntas, sendo que no meio das questões existe o pedido de fazer o compartilhamento das informações. Se você caiu nesse boato, com toda certeza o seu celular ou computador foi infectado por um tipo de vírus. Ao verificar o link do site Sine Emprego (www.sinemprego.com/fgts) no serviço conhecido com o Vírus Total ficou verificado que ele era um site malicioso, ou seja, capaz de pegar informações pessoais dos usuários.

VEREDITO: ESTE BOATO É VERDADEIRO OU FALSO?

Para esclarecer ainda mais a questão, o Governo não divulgou nada a respeito da liberação de FGTS retroativo. E quando ele liberou esse recurso, deu o nome de Contas Inativas. Essa história que anda circulando pela internet não é verdadeira, portanto, de maneira nenhuma, clique no link, e se possível, avise a sua rede de contatos.

Ps.: Esse artigo foi uma sugestão de leitores do Boatos.com.br. Você também pode contribuir com qualquer assunto, entre em contato via Facebook e WhatsApp no telefone



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *